Façam as vossas apostas Michelin 2018

Façam as vossas apostas Michelin 2018

As estrelas para 2018.

Mais um ano que passa, mais uma cerimónia em Espanha, mais um inspector para Portugal! Ah, não, esperem. Afinal não, parece que continuam todos a ser espanhóis (embora haja para aí uns rumores esquisitos, sobre uma infiltrada!). 

Este ano, serão atribuídos os novos galardões (ou perpetuados os já existentes), amanhã dia 22, nesse grande paraíso gastronómico chamado Tenerife, mais em concreto no The Ritz – Carlton Abama, onde à frente dos fogões estarão Martín Berasategui (Restaurante Martín Berasategui, Lasarte), Ricardo Sanz (Kabuki, Madrid), Juan Carlos e Jonathan Padrón (El Rincón de Juan Carlos, Los Gigantes) e Fran Relea (Kazan, Santa Cruz de Tenerife), também aqui bastante representativo. Podemos sempre aguardar eternamente pela abertura de um espaço do Martín Berasategui em Lisboa nalgum sítio alto e assim já contaria. 

Se o tom parecer ligeiramente ácido, é intencional. 

Ao contrário da borrada do ano passado, em que Portugal iria duplicar as estrelas, este ano quem tem o apanágio de ir libertando os detalhes sobre a conferência (Mayte Carreño e Ángel Pardo), limitaram-se a dizer que Portugal "consolida". Dir-se-ia que assistiram às últimas eleições por cá, e como tal, dizem coisas que "nem tugem nem mugem". Dificilmente sairão beliscados. 

O turismo português e espanhol, mantêm as suas tendências uniformes, sendo a portuguesa de subida (sentimos isso todos os dias, neste momento até já fora dos grandes aglomerados populacionais), e a espanhola de estagnação. Pelos vistos vai mesmo ter de se concluir a Sagrada Família. 

Vamos então às apostas. Como sou positivo, todos os mencionados pelo intervenientes nas listagens, são considerados para efeitos de contabilização. Ainda que eles não tenham querido arriscar assim tanto. Nem eu. Serviu-nos de emenda o ano anterior. 

Mesa Marcada - Duarte Calvão
Menu Executivo - João Faria
Observador - Diogo Lopes
Fugas - José Augusto Moreira
Sapo - Sabores

Screen Shot 2017-11-21 at 17.13.52.png

A dúvida grande continua a ser se alguém leva ou não a distinção: Vale a pena a viagem por si só ***.

Que se exalte o positivismo de todos. Aqui nenhum dos elencados enquanto opinadores tem grande coisa a ganhar, especialmente se comparado com o segmento. Que cada uma das medalhas alvitradas, seja honestamente atribuída. Que os "patrocinadores" continuem a investir na área, e que não esmoreçam ao primeiro sinal atípico. Que insistam juntamente com as suas equipas, e que estas continuem a suar e muito por aquilo que todos queremos: 

Uma dignificação e visibilidade daquilo que nos constitui enquanto património. A gastronomia. 
 

Comida não comida

Comida não comida